segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Uruçuca: Obras que não param



O canteiro de obras que se transformou Uruçuca, está em pleno vapor. Nas obras da creche Jaqueline Moreau, o tanque de água já foi implantado no local e dentro de aproximadamente 15 dias deverão estar chegando os módulos.





O ginásio de esportes Talmo Farias, agora efetivamente um ginásio, antes era uma quadra coberta, as obras estão aceleradas para a conclusão, de forma a ser inaugurado no dia da cidade, dia 12 de dezembro.





O DISEP, complexo policial, que está sendo implantado próximo a rodoviária, também tem inauguração prevista para 12 de dezembro.




Outra obra que a prefeita pretende entregar no dia da cidade, é a restauração da praça Miguel Baracho. Os recursos desta obra são exclusivamente do erário municipal, numa iniciativa ousada da prefeita Fernanda Silva.





O ano de 2015 poderá ser de festa constante, quando teremos a conclusão da pavimentação das ruas do antigo bairro Waldeck Ornelas/Portelinha, de ruas de Serra Grande, da construção da escola rural de Domingos Correia, no valor de 1 milhão de reais, junto com um PSF rural, no mesmo local. Também será construído um PSF na Portelinha, a construção da Casa de Parto de Uruçuca, a cobertura e ampliação das arquibancadas do estádio Ferreirão, com cabines de rádio e TV, reforma de outras escolas rurais e a conclusão da recuperação das estradas rurais do município. Este leque poderá ser ampliado com novas obras, que serão reivindicadas pela executiva, tanto ao governo estadual, quanto ao federal.

Heraldo Santana/Blog Água Preta

sábado, 25 de outubro de 2014

Dr. Dilson Fraga Neves recebeu homenagem do Cremeb


Na sexta-feira, 18 de outubro, em uma cerimônia concorrida e marcada por emoções, o Cremeb realizou a solenidade em comemoração ao Dia do Médico e em homenagem aos profissionais com 50 anos completos de exercício da função e que não sofreram nenhum Processo Ético-Profissional. O Salão Nobre da Faculdade de Medicina da Bahia - UFBA, local da festa, ficou lotado de médicos e familiares que foram prestigiar o evento.


Entre os profissionais contemplados, está o nome do Dr. Dilson Fraga Neves, filho do município de Uruçuca, com grandes serviços prestados a comunidade uruçuquense e a região cacaueira.
Dr. Dilson, conhecido entre os amigos, como Dilsinho, desde a sua formação sempre atendeu e atende as crianças de Uruçuca, com a atenção que lhe é peculiar e isso é reconhecido não só em sua terra natal, mas em toda região, sendo reputado como um dos grandes médicos pediatras da Bahia.
Toda equipe do blog Água Preta e a prefeita Fernanda Silva, sabedora da competência profissional do pediatra, parabeniza Dr. Dilson, pela justa homenagem.
“Esta foi uma cerimônia ímpar, quando se tem um filho da terra, sendo alvo de uma grande homenagem no âmbito estadual. Em nome do nosso governo e de todos os funcionários, quero parabenizar o médico que sempre cuidou com zelo e dedicação das criancinhas de Uruçuca”, disse a prefeita Fernanda Silva.
Heraldo Santana/Blog Água Preta

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

“Dilma avança em todas as classes sociais”, afirmam diretores do Datafolha

Diante do resultado do último levantamento que mostra a presidenta e candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT) seis pontos à frente de seu adversário Aécio Neves (PSDB), o diretor geral do Datafolha, Mauro Paulino, e o diretor de pesquisas, Alessandro Janoni, afirmam que a petista avançou em todas as classes sociais.
Em análise feita no jornal Folha de S. Paulo, os representantes do instituto explicam que, se em um primeiro momento o segmento intermediário da classe média foi o responsável pela vantagem da presidenta em relação ao candidato do PSDB, o cenário atual mostra um crescimento nas intenções de voto da petista tanto nos estratos mais ricos quanto nos mais pobres da população.
Além disso, a participação de Aécio Neves nas classes mais altas, onde alcançava seus maiores índices, caiu significativamente. Antes, ele alcançava 74% dos integrantes da classe alta e 67% entre os da média alta, conforme apontou a primeira pesquisa do segundo turno. Hoje, essas taxas são de 64% e 58%, respectivamente. O tucano teria ainda perdido votos em cidades importantes, como Rio de Janeiro e São Paulo.
Para ler a análise completa, clique aqui.
Fonte: Uol.com

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Novas pesquisas mostram Dilma até oito pontos à frente de Aécio

RIO - As pesquisas do Datafolha e do Ibope divulgadas nesta quarta-feira mostram a presidente Dilma Rousseff (PT), candidata à reeleição, à frente de Aécio Neves (PSDB), pela primeira vez fora da margem de erro, de dois pontos percentuais para mais ou para menos. Nas pesquisas mais recentes destes institutos, os dois estavam tecnicamente empatados.
Com pesquisa feita de segunda-feira a quarta-feira, o Ibope aponta Dilma com 49% das intenções de voto, contra 41% de Aécio – diferença de oito pontos percentuais. Após ouvir eleitordes na quarta-feira e nesta quinta-feira, o Datafolha mostra uma distância menor: 48% contra 42%, ou seis pontos percentuais.
Na pesquisa do Ibope, os entrevistados que declararam voto nulo ou em branco somaram 7%; para o Datafolha, 5%. Os que não quiseram responder ou não souberam dizer em quem votariam foram 3% para o Ibope e 5% segundo o Datafolha.
Considerando apenas os votos válidos, ou seja, excluindo brancos e nulos, o Ibope aponta que Dilma venceria o segundo turno com 54%, contra 46% de Aécio. Na mesma conta, que é a utilizada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para divulgar os resultados da eleição, o Datafolha mostra vitória de Dilma por 53% a 47%.
Segundo o levantamento anterior do Ibope, divulgado no dia 15 de outubro, Aécio tinha 51% e Dilma, 49%. A última pesquisa do Datafolha, divulgada no dia 22, já indicava liderança de Dilma, com 52%, e Aécio, 48% dos votos válidos.
A rejeição a Aécio entre os eleitores é maior do que a rejeição a Dilma, em ambos os levantamentos. Pelo Ibope, 42% dos entrevistados não votariam no tucano, e 36% evitariam Dilma. Para o Datafolha, o percentual de rejeição de Aécio é de 41% e o de Dilma, de 37%.
O Ibope ouviu 3.010 eleitores em 203 municípios, e o Datafolha, 9.910 eleitores em 399 municípios. Em ambos os casos, o nível de confiança – a probabilidade de que o resultado, considerando a margem de erro, reflita a realidade – é de 95%.
A pesquisa do Ibope foi registrada no TSE sob o protocolo BR-01168/2014; a do Datafolha, sob o protocolo BR-01162/2014.

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Datafolha: Dilma tem 47% e Aécio, 43%

RIO - Pesquisa Datafolha divulgada nesta quarta-feira pelo jornal “Folha de S.Paulo” mostra que a presidente Dilma Rousseff (PT) está numericamente à frente de Aécio Neves (PSDB) no segundo turno. Ambos continuam tecnicamente empatados. Dilma registrou 47% das intenções de voto e o tucano, 43%. Na pesquisa anterior do instituto, divulgado no dia 20, a petista tinha 46% e o candidato do PSDB, 43%. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. Votos em branco e nulos somam 6%. Os indecisos são 4%.
Considerando apenas os votos válidos, Dilma tem 52% e Aécio, 48%, o mesmo resultado do levantamento anterior.
Segundo o Datafolha, 82% dos eleitores de Dilma acham que a presidente será reeleita. Entre os eleitores de Aécio, 78% acham que o tucano será o vitoriosos.
Nos segmentos sociais, a pesquisa confirma avanços da petista entre as mulheres (de 42% para 47% desde o dia 9), no grupo dos que recebem que tem a preferência de 47% e no grupo das pessoas que recebem entre dois e cinco salários mínimos (de 39% para 45% desde o dia 15) e no Sudeste (de 34% para 40% desde o dia 9).
Publicidade

O instituto perguntou se o eleitor tem grande interesse pela eleição e 50% responderam sim, contra os 39% registrados no fim de agosto.
O Datafolha detectou que os eleitores não estão mais tão pessimistas com a economia do país e que esse sentimento ajuda a explicar a reação de Dilma na corrida presidencial neste segundo turno. De acordo com a pesquisa, 31% acham que a inflação vai aumentar. Esse índice, porém, é inferior aos registrados em setembro, de 50%, e em abril, de 64%. Para 21% dos entrevistados, o índice de inflação vai diminuir.
O Datafolha ouviu 4.355 eleitores no dia 21 de outubro. O nível de confiança é de 95%. Isso significa que, se forem realizados 100 levantamentos, em 95 deles os resultados estariam dentro da margem de erro de dois pontos prevista.

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Uruçuca: Novas obras serão licitadas


Futura escola na Fazenda Domingos Correia
Planta baixa da escola Domingos Correia


Futura Casa de Parto de Uruçuca

Planta baixa da Casa de Parto


Dando continuidade a um novo pacote de obras, a prefeita Fernanda Silva, através da Secretaria de Infraestrutura, estará disponibilizando, nas próximas semanas, licitações para execução de serviços de pavimentação das ruas, em Serra Grande; da construção da Casa de Parto de Uruçuca; da escola Domingos Correia e do primeiro Posto Saúde Família da zona rural, na mesma região da escola.
Estas quatro obras serão somadas, as cinco obras em andamento na sede, que são: A creche Jaqueline Moreau, o ginásio de esportes Talmo Farias, a quadra coberta do CEMUR, a recuperação e revitalização da Praça Miguel Baracho e o novo Complexo Policial, constituído de mini-SAC. É importante ressaltar que, a patrulha mecânica municipal encontra-se em estado avançado de recuperação da estrada, com alta qualidade nos serviços, na região do Barrocão, onde há muitos anos não eram realizadas obras.
Segundo o secretário de Infraestrutura, Vinícius Oliveira, nos trabalhos de recuperação das estradas rurais estão sendo priorizadas as vias principais e posteriormente os ramais serão contemplados.
“A maioria dos projetos que estamos tornando realidade teve a ajuda decisiva dos nossos deputados Valmir Assunção, Leur Lomanto e Ângela Sousa. É importante lembrar que sem a ajuda deles, talvez não tivéssemos a ousadia de ter tantas obras em nossa cidade. Quero lembrar a importância da nossa presidenta Dilma, que nos ofereceu uma creche, no valor de um milhão e oitocentos mil de reais, já em construção em nosso município e a escola que será construída, na Fazenda Domingos Correia, no valor de um milhão de reais. É por isso que conclamo toda nossa população para renovar o mandato da nossa presidenta, para que nosso município, seja beneficiado com mais obras do governo federal”, pontuou a prefeita Fernanda Silva.
Heraldo Santana/Blog Água Preta

Todos soltos, todos soltos, até hoje

                                                                                                                   Elio Gaspari, O Globo

Nos debates medíocres da Bandeirantes e da SBT, em que Dilma Rousseff parecia disputar a Presidência com Fernando Henrique Cardoso, e Aécio Neves parecia lutar por um novo mandato em Minas Gerais, houve um momento estimulante. Foram as saraivadas de cinco “todos soltos” desferidas pela doutora.
Discutia-se a corrupção do aparelho petista, e ela arrolou cinco escândalos tucanos: “Caso Sivam”, “Pasta Rosa”, “Compra de votos para a reeleição de FHC”, “Mensalão tucano mineiro” e “Compra de trens em São Paulo”. A cada um, ela perguntava onde estavam os responsáveis e respondia: “Todos soltos”. Faltou dizer: todos soltos, até hoje.
Não foi Dilma quem botou a bancada da Papuda na cadeia, foi a Justiça. Lula e o comissariado petista deram toda a solidariedade possível aos companheiros, inclusive aos que se declararam “presos políticos”.
Aécio também nada tem a ver com o fato de os tucanos dos cinco escândalos estarem soltos. Eles receberam essa graça porque o Ministério Público e o Judiciário não conseguiram colocar-lhes as algemas. O tucanato deu-lhes graus variáveis de solidariedade e silêncio.
Pela linha de argumentação dos dois candidatos, é falta de educação falar dos males petistas para Dilma ou dos tucanos para Aécio. Triste conclusão: quando mencionam casos específicos, os dois têm razão. A boa notícia é que ambos prometem mudar essa escrita.
A doutora Dilma listou os cinco escândalos tucanos, todos do século passado, impunes até hoje. Vale relembrá-los.

Caso Sivam

Em 1993 (governo Itamar Franco), escolheu-se a empresa americana Raytheon para montar um sistema de vigilância no espaço aéreo da Amazônia. Coisa de US$ 1,7 bilhão, sem concorrência. Dois anos depois (governo FHC), o “New York Times” publicou que, segundo os serviços de informações americanos, rolaram propinas no negócio. Diretores da Thomson, que perdera a disputa, diziam que a gorjeta ficara em US$ 30 milhões. Tudo poderia ser briga de concorrentes, até que um tucano grampeou um assessor de FHC e flagrou-o dizendo que o projeto precisava de uma “prensa” para andar. Relatando uma conversa com um senador, afirmou que ele sabia “quem levou dinheiro, quanto levou”. O tucano grampeado voou para a embaixada do Brasil no México, o grampeador migrou para o governo de São Paulo, e o ministro da Aeronáutica perdeu o cargo. Só. FHC classificou o noticiário sobre o assunto como “espalhafatoso”.

Pasta Rosa

Em agosto de 1995, FHC fechou o banco Econômico. Estava quebrado e pertencia a Angelo Calmon de Sá, um príncipe da banca e ex-ministro da Indústria e Comércio. Numa salinha do gabinete do doutor, a equipe do Banco Central que assumiu o Econômico encontrou quatro pastas, uma das quais era rosa. Nelas, estava a documentação do ervanário que a banca aspergira nas eleições de 1986, 1990 e 1994. Tudo direitinho: 59 nomes de deputados, 15 de senadores e dez de governadores, com notas fiscais, cópias de cheques e quantias. Serviço de banqueiro meticuloso. Havia um ranking com as cotações dos beneficiados, e alguns ganharam breves verbetes. No caso de um deputado registravam 43 transações, 12 com cheques.
Nos três pleitos, esse pedaço da banca deve ter queimado mais de US$ 10 milhões. A papelada tornara-se uma batata quente nas mãos da cúpula do Banco Central. De novo, foi usada numa briga de tucanos, e deu-se um vazamento seletivo. Quando se percebeu que o conjunto da obra escapara ao controle, o assunto começou a ser esquecido. FHC informou que os responsáveis pela exposição pagariam na forma da lei: “Se for cargo de confiança perdeu o cargo na hora, se for cargo administrativo será punido administrativamente”. Para felicidade da banca, deu em nada.

A compra de votos para a reeleição

Em maio de 1997, os deputados Ronivon Santiago e João Maia revelaram que cada um deles recebera R$ 200 mil para votar a favor da emenda constitucional que criou o instituto da reeleição dos presidentes e governadores. Ronivon e Maia elegiam-se pelo Acre e pertenciam ao PFL, hoje DEM. Foram expulsos do partido e renunciaram aos mandatos. Ronivon voltou à Câmara em 2002. De onde vinha o dinheiro, até hoje não se sabe.

O mensalão tucano mineiro

Em 1998, Eduardo Azeredo perdeu para o ex-presidente Itamar Franco a disputa em que tentava se reeleger governador de Minas Gerais. Quatro anos depois, elegeu-se senador e tornou-se presidente do PSDB. Em 2005, quando já estourara o caso do mensalão petista, o nome de Azeredo caiu na roda das mágicas de Marcos Valério. Quatro anos antes de operar para o comissariado, ele dava contratos firmados com o governo de Azeredo como garantia para empréstimos junto ao Banco Rural (o mesmo que seria usado pelos comissários.) O dinheiro ia para candidatos da coligação de Azeredo. O PSDB blindou o senador, abraçou a tese do “caixa dois” e manteve-o na presidência do partido durante três meses. Quando perdeu a solidariedade de FHC, Azeredo disse que, durante a disputa de 1998, ele “teve comitês bancados pela minha campanha”. Em fevereiro passado, o Supremo Tribunal Federal aceitou a denúncia do procurador-geral contra Azeredo, e ele renunciou ao mandato de deputado federal (sempre pelo PSDB). Com isso, conseguiu que o processo recomeçasse na primeira instância, em Minas Gerais. Está lá.

A compra de trens em São Paulo

Assim como o Caso Sivam, o fio da meada da corrupção para a venda de equipamentos ao governo paulista foi puxado no exterior. O “Wall Street Journal” noticiou em 2008 que a empresa Alstom, francesa, molhara mãos de brasileiros em contratos fechados entre 1995 e 2003. Coisa de US$ 32 milhões, para começar. O Judiciário suíço investigava a Alstom e tinha listas com nomes e endereços de pessoas beneficiadas. Um diretor da filial brasileira foi preso e solto. Outro, na Suíça, também foi preso e colaborou com as autoridades. Um aspecto interessante desse caso está no fato de que a investigação corria na Suíça, mas andava devagar em São Paulo. Outras maracutaias, envolvendo hierarcas da Indonésia e de Zâmbia, resultaram em punições. Há um ano, a empresa alemã Siemens, que participava de consórcios com a Alstom, começou a colaborar com as autoridades brasileiras e expôs o cartel de fornecedores que azeitava contratos com propinas que chegavam a 8,5%. Em 2008, surgiu o nome de Robson Marinho, chefe da Casa Civil do governo de São Paulo entre 1995 e 2001, nomeado ministro do Tribunal de Contas do Estado. Em março passado, os suíços bloquearam  uma conta do doutor num banco local, com saldo de US$ 1,1 milhão. Ele nega ser o dono da arca, pela qual passaram US$ 2,7 milhões (Marinho tem uma ilha em Paraty). O Ministério Público de São Paulo já denunciou 30 pessoas e 12 empresas. Como diz a doutora, “todos soltos”.