segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Uruçuca: Novas obras serão licitadas


Futura escola na Fazenda Domingos Correia
Planta baixa da escola Domingos Correia


Futura Casa de Parto de Uruçuca

Planta baixa da Casa de Parto


Dando continuidade a um novo pacote de obras, a prefeita Fernanda Silva, através da Secretaria de Infraestrutura, estará disponibilizando, nas próximas semanas, licitações para execução de serviços de pavimentação das ruas, em Serra Grande; da construção da Casa de Parto de Uruçuca; da escola Domingos Correia e do primeiro Posto Saúde Família da zona rural, na mesma região da escola.
Estas quatro obras serão somadas, as cinco obras em andamento na sede, que são: A creche Jaqueline Moreau, o ginásio de esportes Talmo Farias, a quadra coberta do CEMUR, a recuperação e revitalização da Praça Miguel Baracho e o novo Complexo Policial, constituído de mini-SAC. É importante ressaltar que, a patrulha mecânica municipal encontra-se em estado avançado de recuperação da estrada, com alta qualidade nos serviços, na região do Barrocão, onde há muitos anos não eram realizadas obras.
Segundo o secretário de Infraestrutura, Vinícius Oliveira, nos trabalhos de recuperação das estradas rurais estão sendo priorizadas as vias principais e posteriormente os ramais serão contemplados.
“A maioria dos projetos que estamos tornando realidade teve a ajuda decisiva dos nossos deputados Valmir Assunção, Leur Lomanto e Ângela Sousa. É importante lembrar que sem a ajuda deles, talvez não tivéssemos a ousadia de ter tantas obras em nossa cidade. Quero lembrar a importância da nossa presidenta Dilma, que nos ofereceu uma creche, no valor de um milhão e oitocentos mil de reais, já em construção em nosso município e a escola que será construída, na Fazenda Domingos Correia, no valor de um milhão de reais. É por isso que conclamo toda nossa população para renovar o mandato da nossa presidenta, para que nosso município, seja beneficiado com mais obras do governo federal”, pontuou a prefeita Fernanda Silva.
Heraldo Santana/Blog Água Preta

Todos soltos, todos soltos, até hoje

                                                                                                                   Elio Gaspari, O Globo

Nos debates medíocres da Bandeirantes e da SBT, em que Dilma Rousseff parecia disputar a Presidência com Fernando Henrique Cardoso, e Aécio Neves parecia lutar por um novo mandato em Minas Gerais, houve um momento estimulante. Foram as saraivadas de cinco “todos soltos” desferidas pela doutora.
Discutia-se a corrupção do aparelho petista, e ela arrolou cinco escândalos tucanos: “Caso Sivam”, “Pasta Rosa”, “Compra de votos para a reeleição de FHC”, “Mensalão tucano mineiro” e “Compra de trens em São Paulo”. A cada um, ela perguntava onde estavam os responsáveis e respondia: “Todos soltos”. Faltou dizer: todos soltos, até hoje.
Não foi Dilma quem botou a bancada da Papuda na cadeia, foi a Justiça. Lula e o comissariado petista deram toda a solidariedade possível aos companheiros, inclusive aos que se declararam “presos políticos”.
Aécio também nada tem a ver com o fato de os tucanos dos cinco escândalos estarem soltos. Eles receberam essa graça porque o Ministério Público e o Judiciário não conseguiram colocar-lhes as algemas. O tucanato deu-lhes graus variáveis de solidariedade e silêncio.
Pela linha de argumentação dos dois candidatos, é falta de educação falar dos males petistas para Dilma ou dos tucanos para Aécio. Triste conclusão: quando mencionam casos específicos, os dois têm razão. A boa notícia é que ambos prometem mudar essa escrita.
A doutora Dilma listou os cinco escândalos tucanos, todos do século passado, impunes até hoje. Vale relembrá-los.

Caso Sivam

Em 1993 (governo Itamar Franco), escolheu-se a empresa americana Raytheon para montar um sistema de vigilância no espaço aéreo da Amazônia. Coisa de US$ 1,7 bilhão, sem concorrência. Dois anos depois (governo FHC), o “New York Times” publicou que, segundo os serviços de informações americanos, rolaram propinas no negócio. Diretores da Thomson, que perdera a disputa, diziam que a gorjeta ficara em US$ 30 milhões. Tudo poderia ser briga de concorrentes, até que um tucano grampeou um assessor de FHC e flagrou-o dizendo que o projeto precisava de uma “prensa” para andar. Relatando uma conversa com um senador, afirmou que ele sabia “quem levou dinheiro, quanto levou”. O tucano grampeado voou para a embaixada do Brasil no México, o grampeador migrou para o governo de São Paulo, e o ministro da Aeronáutica perdeu o cargo. Só. FHC classificou o noticiário sobre o assunto como “espalhafatoso”.

Pasta Rosa

Em agosto de 1995, FHC fechou o banco Econômico. Estava quebrado e pertencia a Angelo Calmon de Sá, um príncipe da banca e ex-ministro da Indústria e Comércio. Numa salinha do gabinete do doutor, a equipe do Banco Central que assumiu o Econômico encontrou quatro pastas, uma das quais era rosa. Nelas, estava a documentação do ervanário que a banca aspergira nas eleições de 1986, 1990 e 1994. Tudo direitinho: 59 nomes de deputados, 15 de senadores e dez de governadores, com notas fiscais, cópias de cheques e quantias. Serviço de banqueiro meticuloso. Havia um ranking com as cotações dos beneficiados, e alguns ganharam breves verbetes. No caso de um deputado registravam 43 transações, 12 com cheques.
Nos três pleitos, esse pedaço da banca deve ter queimado mais de US$ 10 milhões. A papelada tornara-se uma batata quente nas mãos da cúpula do Banco Central. De novo, foi usada numa briga de tucanos, e deu-se um vazamento seletivo. Quando se percebeu que o conjunto da obra escapara ao controle, o assunto começou a ser esquecido. FHC informou que os responsáveis pela exposição pagariam na forma da lei: “Se for cargo de confiança perdeu o cargo na hora, se for cargo administrativo será punido administrativamente”. Para felicidade da banca, deu em nada.

A compra de votos para a reeleição

Em maio de 1997, os deputados Ronivon Santiago e João Maia revelaram que cada um deles recebera R$ 200 mil para votar a favor da emenda constitucional que criou o instituto da reeleição dos presidentes e governadores. Ronivon e Maia elegiam-se pelo Acre e pertenciam ao PFL, hoje DEM. Foram expulsos do partido e renunciaram aos mandatos. Ronivon voltou à Câmara em 2002. De onde vinha o dinheiro, até hoje não se sabe.

O mensalão tucano mineiro

Em 1998, Eduardo Azeredo perdeu para o ex-presidente Itamar Franco a disputa em que tentava se reeleger governador de Minas Gerais. Quatro anos depois, elegeu-se senador e tornou-se presidente do PSDB. Em 2005, quando já estourara o caso do mensalão petista, o nome de Azeredo caiu na roda das mágicas de Marcos Valério. Quatro anos antes de operar para o comissariado, ele dava contratos firmados com o governo de Azeredo como garantia para empréstimos junto ao Banco Rural (o mesmo que seria usado pelos comissários.) O dinheiro ia para candidatos da coligação de Azeredo. O PSDB blindou o senador, abraçou a tese do “caixa dois” e manteve-o na presidência do partido durante três meses. Quando perdeu a solidariedade de FHC, Azeredo disse que, durante a disputa de 1998, ele “teve comitês bancados pela minha campanha”. Em fevereiro passado, o Supremo Tribunal Federal aceitou a denúncia do procurador-geral contra Azeredo, e ele renunciou ao mandato de deputado federal (sempre pelo PSDB). Com isso, conseguiu que o processo recomeçasse na primeira instância, em Minas Gerais. Está lá.

A compra de trens em São Paulo

Assim como o Caso Sivam, o fio da meada da corrupção para a venda de equipamentos ao governo paulista foi puxado no exterior. O “Wall Street Journal” noticiou em 2008 que a empresa Alstom, francesa, molhara mãos de brasileiros em contratos fechados entre 1995 e 2003. Coisa de US$ 32 milhões, para começar. O Judiciário suíço investigava a Alstom e tinha listas com nomes e endereços de pessoas beneficiadas. Um diretor da filial brasileira foi preso e solto. Outro, na Suíça, também foi preso e colaborou com as autoridades. Um aspecto interessante desse caso está no fato de que a investigação corria na Suíça, mas andava devagar em São Paulo. Outras maracutaias, envolvendo hierarcas da Indonésia e de Zâmbia, resultaram em punições. Há um ano, a empresa alemã Siemens, que participava de consórcios com a Alstom, começou a colaborar com as autoridades brasileiras e expôs o cartel de fornecedores que azeitava contratos com propinas que chegavam a 8,5%. Em 2008, surgiu o nome de Robson Marinho, chefe da Casa Civil do governo de São Paulo entre 1995 e 2001, nomeado ministro do Tribunal de Contas do Estado. Em março passado, os suíços bloquearam  uma conta do doutor num banco local, com saldo de US$ 1,1 milhão. Ele nega ser o dono da arca, pela qual passaram US$ 2,7 milhões (Marinho tem uma ilha em Paraty). O Ministério Público de São Paulo já denunciou 30 pessoas e 12 empresas. Como diz a doutora, “todos soltos”.

domingo, 19 de outubro de 2014

Uruçuca: Aniversário de Murilo Brito






Neste sábado, 18, na Fazenda Conceição, estrada Uruçuca/Serra Grande, houve um grande acontecimento, quando Murilo Brito, companheiro da prefeita Fernanda Silva, reuniu os amigos e correligionários para festejarem a passagem do seu aniversário.




Murilo Brito é aquela pessoa discreta, que vem contribuindo em muito na administração municipal, ajudando sua esposa nos principais momentos. Confesso que não conhecia profundamente a personalidade e o caráter dele, antes de ser convidado para auxiliar nesta administração. Não nego que, fiquei surpreendido durante este efêmero período de convivência, pela sua postura, lealdade, amizade, comprovada pela busca em inserir-se na sociedade uruçuquense e que hoje parece até filho da terra. Parabéns Murilo!




A Fazenda Conceição foi pequena para acolher a multidão de pessoas que foram parabenizar o anfitrião e o momento memorável foi a chegada do deputado federal Valmir Assunção, que deixou todos os presentes extasiados, pela simpatia e pelo acolhimento aos seus eleitores.
Estiveram também presentes, Ednei Mendonça, ex-chefe de gabinete e sua esposa Carmelita, ex-candidata a prefeita de Ilhéus, o presidente da Câmara de Uruçuca, Eri, a futura presidenta, Gracinha, os vereadores Nau de Danda, Irmão Duda e Abreu, os secretários José Nazal, Marcos Vasconcelos, Michele Fernandes e Fabrício Santos.

Na sua fala, o aniversariante agradeceu a todos pela presença. A prefeita Fernanda Silva lembrou a Valmir Assunção da maior votação que um deputado já conseguiu em Uruçuca.

O deputado Valmir Assunção pediu o empenho de todos, para eleição da presidenta Dilma, cuja marca está na creche Jaqueline Moreau, em construção na Portelinha. Falou da época em que o pobre só podia comprar asa de galinha, arroz de terceira, etc. Finalizou seu discurso dizendo: “Eu fui o deputado mais votado em Uruçuca de todos dos tempos. Na continuação, quero ser o deputado que mais trouxe emendas para Uruçuca, em todos os tempos”.
O blog Água Preta deseja ao companheiro e amigo Murilo Brito, muito anos de vida, muita saúde e que Jesus ilumine toda sua família.
Heraldo Santana/Blog Água Preta

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Uruçuca: Arquiteta visita obras de reforma da Praça Miguel Baracho



Na última quinta-feira, 16, a arquiteta Beatriz Goulart, junto com a prefeita Fernanda Silva, visitou as obras da reforma da Praça Miguel Baracho, projeto arquitetônico de sua autoria.
Naquela oportunidade, a prefeita aproveitou para mostrar a arquiteta, alguns pontos que pretende revitalizar, entre eles o antigo clube social, a quadra da Urbis e o terreno em frente ao novo modulo policial, próximo à rodoviária. O objetivo é encomendar novos projetos para áreas que estão degradadas no município.
Dando continuidade aos novos projetos do governo, no próximo mês de novembro, estarão sendo disponibilizadas, aos interessados, as licitações para construção da Casa de Parto, emenda da deputada Ângela Sousa e das pavimentações que serão realizadas no distrito de Serra Grande, sede e Baixa do Sargi, emenda do deputado estadual Leur Lomanto.
Ainda dentro do cronograma de obras, a recuperação das estradas rurais está em pleno vapor, sendo contempladas, no momento, as regiões do Barrocão e da Fazenda Convenção. Segundo o secretário de Infraestrutura Vinicius Oliveira, após as obras do Barrocão, as máquinas seguirão para recuperação da estrada do Pé de Serra.
Heraldo Santana/Blog Água Preta

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

UFSB entrega 360 computadores aos seus alunos

O amplo uso das tecnologias de informação no processo de aprendizagem é uma necessidade na educação atual e também uma das principais estratégias no projeto pedagógico da UFSB. Pensando nisso, a universidade disponibilizou 360 computadores aos seus estudantes. A entrega está sendo feita nos três campi da instituição, em Itabuna, Porto Seguro, Teixeira de Freitas e também nos colégios universitários em outras cidades. Os equipamentos são notebooks da marca HP e tem como objetivo que os alunos tenham à disposição todos os recursos dos meios digitais nas suas atividades acadêmicas. O Reitor da UFSB, professor Naomar de Almeida, esteve presente no ato de entrega dos computadores no campus Jorge Amado em Itabuna nesta terça-feira (dia 14/10) e estará em Porto Seguro nesta quarta (dia 15), em Itamaraju na quinta (dia 16) e em Teixeira de Freitas na sexta-feira (dia 17). Para a universidade, a primeira entrega de computadores é um momento importante, uma vez que, mais que um recurso tecnológico, a instituição busca garantir a inserção dos estudantes no universo do conhecimento e das possibilidades do mundo digital.
Fonte: Rede Brasil de Noticias

terça-feira, 14 de outubro de 2014

URUÇUCA: VEREADORA GRACINHA É ELEITA PRESIDENTA DA CÂMARA



Nesta terça-feira, 14, foi eleita a nova direção da Câmara Municipal de Uruçuca, para o biênio 2015/2016. De forma surpreendente,  a vereadora candidata Maria das Graças Rosa Santos, a popular Gracinha Enfermeira, conseguiu superar seu oponente, Carlos Magno, pelo placar  de 6 x 5.

A vereadora Gracinha pertence a base aliada da prefeita Fernanda Silva, o que irá fortalecer a executiva municipal, nos dois últimos anos do seu primeiro mandato.
O blog Água Preta deseja sucesso a nova presidenta, no grande desafio de comandar aquela casa parlamentar.  

Heraldo Santana/Blog Água Preta